domingo, 19 de setembro de 2010

Atos Consequenciados

Segunda Parte*
_______________

Em algum lugar na Inglaterra, 2 de Dezembro:

 Todos já estavam dormindo em seus quartos. O silêncio era o único barulho que se ouvia a não ser pelos gritos de Belatriz Petrovicky que se iniciaram a alguns segundos atrás. "Onde está ela? Eu quero minha filha! Suas criadas inúteis, não conseguem nem dar conta de uma criança de 3 meses durante algumas horas" - Gritava Belatriz enquanto quebrava tudo que via em sua frente.
 Alguns minutos de gritaria e pronto, a casa toda já estava alarmada, chiados aqui, chiados ali, e os gritos de Belatriz, era isso que se ouvia até seu pai chegar, uma figura que empunha respeito, de voz grossa e os cabelos já grisalhos:
 - Mas que droga que está havendo aqui? Alguém pode me explicar? - Praguejava sr.Herman Petrovicky.
 Belatriz foi correndo em direção ao pai e aos prantos lhe pediu (ou melhor, lhe implorou):
 - Pai, a Lizzy pai, ela sumiu, mande seu pessoal procurá-la, minha Lizzy, quero ela aqui comigo ainda hoje, por favor! - Choramingava ela deixando seu pai mais nervoso do que já estava.
 - Ora essa, onde está o pai da criança nessas horas?
 Gambith Petrovicky (adotou o sobrenome daquela família podre de rica ao se casar com Belatriz Petrovicky, a única herdeira), um sujeito um tanto quanto vagabundo, esta era a definição perfeita para ele, vagabundo, até mesmo para falar tinha um jeito mole, tão mole que chegava a ser até sedutor. Fazia as mulheres caírem aos seus pés com um simples olhar, alto, tipo atlético, e aquele olhar, era fatal!
 - Acalme-se sogrinho, acalme-se, estou aqui! - Disse Gambith em tom sarcástico enquanto colocava o casaco para sair à procura daquela criaturinha.
 - O que está fazendo aqui ainda? - Respondeu o "sogrinho" parecendo um cão raivoso.


Algumas horas depois:


 - Senhor nós percorremos por tudo quanto é lugar, dentro e fora da fazenda. Não achamos ninguém. Só algumas pessoas diziam ter visto dois forasteiros carregando uma criança, mas não os encontramos, eles ja devem estar longe... - Disse o comandante dos capangas do sr.Herman.
 - Aqueles dois, eu sabia que havia algo suspeito neles! - Disse o sr.Herman quase inaudívelmente. - Agora só podemos esperar pela polícia, o que é praticamente a mesma coisa que nada!
Alguns minutos depois Gambith chegou sem nada nas mãos e nem uma notícia, não sabia nem dos forrasteiros.
 - Seu emprestável, eu te odeio, eu te odeio, eu te odeio... - Dizia repetidas vezes enquanto batia no marido, até que caiu de joelhos chorando e o marido à levou para cama e ficou la junto dela até adormecerem juntos.

7 comentários:

  1. ai que suspense kkk to adorando *-*

    ResponderExcluir
  2. esta família é de origem eslava, to certa? este final-zinho fez-me lembrar d'o urso, do tchekhov. http://tinyurl.com/28hv8q2

    ResponderExcluir
  3. PAOKSAPOSK pode ser. Mas ainda não é o final rs'

    ResponderExcluir
  4. Ai Má, tá muito bom, quero maaaaaais *----*

    ResponderExcluir
  5. ta ótimo mah eu estou esperando mais em vc vai ser uma grande escritora(clarto se vc quiser néah)espero que venha muito mais.espero anciozo

    ResponderExcluir
  6. Meu Deus que suspense maravilhoso.
    Olha, sempre escreva e grave de modo que se tenha como provar quando tudo começou, e nada de deixa plagia-lá, afinal o encanto é somente seu, e o mérito também.
    Por favor diga mais sobre tudo o que está ocorrendo com a familia islavia, adorei.
    Acho que era de uma época muito dominada ainda por....

    ResponderExcluir
  7. Obrigada tia *-*, simplesmente isso, muito obrigada!

    ResponderExcluir

E por que não se expressar?